As cirurgias eletivas começaram a ser retomadas gradativamente em outubro do ano passado| Foto: Geovana Albuquerque/Secretaria de Saúde

A Secretaria de Saúde manteve, nesta segunda-feira (11), a autorização para que os hospitais da rede pública continuem fazendo cirurgias eletivas. A decisão se baseia na avaliação de critérios técnicos feitos por gestores da pasta, como a taxa de ocupação dos leitos com suporte de ventilação mecânica, que estava em 68,84% até a última atualização, às 14h10, no portal Info Saúde-DF. Também se avalia a taxa de transmissão do coronavírus, que está em 0,87 e a média móvel de casos e óbitos.

O secretário-adjunto de Assistência da Secretaria de Saúde, Petrus Sanchez, disse que a decisão de manter as cirurgias eletivas sendo realizadas nas unidades da rede “é fundamental porque temos uma demanda reprimida que precisa ser minimizada com segurança para os pacientes e para os profissionais de saúde”.

A autorização é válida até o dia 18 de janeiro. A Secretaria de Saúde continuará monitorando a situação do Distrito Federal em relação à pandemia de Covid-19 e poderá manter a realização dos procedimentos posteriormente a esta data.

Temos uma demanda reprimida que precisa ser minimizada com segurança para os pacientes e para os profissionais de saúdePetrus Sanchez, secretario-adjunto de Assistência

Volta dos procedimentos

As cirurgias eletivas começaram a ser autorizadas gradativamente em outubro do ano passado, iniciando-se pela especialidade oftalmológica. Em novembro, as ginecológicas, urológicas e vasculares foram retomadas.

Em 2 de dezembro de 2020, voltaram a ser realizados procedimentos pediátricos, ortopédicos, plásticos, gerais e coloproctológicos. Naquele mês, o Hospital Regional de Ceilândia (HRC) fez 186 cirurgias eletivas. Já o Hospital da Região Leste fez 163 procedimentos, um aumento de 75% se comparado ao mesmo mês de 2019. A partir da próxima terça-feira (12), o Hospital Regional da Asa Norte (Hran) voltará a fazer cirurgias eletivas.

Durante o período de suspensão, que começou em 29 de junho, a Secretaria de Saúde manteve a realização das cirurgias oncológicas, cardiovasculares, transplantes e judicializadas.

Mesmo com tantas restrições impostas pelo ano atípico, a pasta conseguiu obter a segunda maior produção cirúrgica, no período de 1º de janeiro a 31 de outubro, desde 2014. Nesse período foram feitas 53.610 cirurgias, entre eletivas e de urgência, em toda a rede pública de saúde do DF. Em 2014 foram 52.460 cirurgias realizadas. Já em 2019, quando houve o maior número de cirurgias nesse período de sete anos, foram feitas 57.266.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Fonte: Agência Brasilia