A Secretaria de Saúde firmou, nesta sexta-feira (18), um novo convênio para pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP/DF). O novo acordo visa a digitalização completa do Sistema Único de Saúde com ênfase na atenção primária do Distrito Federal. A ação faz parte do projeto Saúde Digital, iniciado em 2019.

O convênio de PD&I investirá R$ 9.880.405,92 na transformação digital com foco para o cidadão, na gestão e na assistência. Por meio de uma compilação de dados das regiões de saúde, a secretaria pretende aumentar ainda mais a abrangência de informações disponíveis na Sala de Situação do DF, um dos grandes legados do projeto. O objetivo é ter maior precisão e celeridade nas políticas de saúde no DF, especialmente na atenção primária, que é o primeiro contato do cidadão com o sistema de saúde.

Ao lembrar de alguns progressos que o projeto Saúde Digital trouxe à pasta, o secretário Osnei Okumoto reforça a importância de se facilitar o acesso do cidadão à informação. “É uma ação que demonstra transparência da Secretaria de Saúde e de suas ações para a população. Por isso é um ganho muito grande para todos, e também funciona como uma ferramenta de fiscalização do exercício das atividades do governo”, acrescentou.

De início, o novo convênio já beneficia 180 médicos residentes que trabalham na atenção primária. “Essa nova parceria qualifica muito as nossas estratégias e o nosso planejamento, uma apropriação melhor de dados, de tecnologia de informação e de gestão e também a nossa entrega de serviços”, disse o Coordenador de Atenção Primária, Fernando Erick Damasceno. Segundo ele, esse novo convênio permitirá, mais ainda, que o ano de 2021 possa vir a ser muito produtivo.

É uma ação que demonstra transparência da Secretaria de Saúde e de suas ações para a populaçãoOsnei Okumoto, secretário de Saúde do DF

O projeto Saúde Digital foi elaborado pelo GDF e planeja informatizar os processos de gestão da rede pública de saúde do Distrito Federal. Para atingir esse objetivo, o governo estabeleceu uma série de metas a serem cumpridas nos próximos anos e que demandam estudos e pesquisas na área. Além da atenção primária, o projeto visa adotar soluções tecnológicas que alcancem as áreas de recursos humanos, cobertura vacinal e agendamento de consultas.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Fonte: Agência Brasilia