Foram seis quebra-molas pintados ao longo dos três quilômetros da rua que liga a via Estrutural à Estrada Parque Taguatinga (EPTG) | Foto: Lúcio Bernardo Jr./Agência Brasília

O Governo do Distrito Federal (GDF), por meio do Departamento de Trânsito (Detran), fez neste sábado (12) a pintura dos quebra-molas da rua 3, em Vicente Pires. A sinalização horizontal é um dos últimos passos para conclusão das obras de estruturação naquela que já foi a via mais problemática da região.

Foram seis quebra-molas pintados ao longo dos três quilômetros da rua que liga a via Estrutural à Estrada Parque Taguatinga (EPTG). Eles indicarão os pontos de instalação dos inibidores de velocidade. Todo o trecho já foi pavimentado, as calçadas construídas e luzes de LED, mais potentes e econômicas, instaladas.

“Preciso dizer que essa obra aqui ficou 1.000%. Estamos vivendo outra realidade”, conta o aposentado Severino Victor de Lima. Aos 70 anos, ele vendeu o carro que tinha e, há um mês, abriu uma loja de peças e equipamentos elétricos. O imóvel, que estava sem alugar há meses por causa dos problemas na rua, agora ficou valorizado. “Estamos vivendo outra realidade.”

Os problemas enfrentados pela rua 3 eram históricos e frequentes, conta o administrador regional de Vicente Pires, Daniel de Castro. A via, uma das mais extensas da região, recebia toda a água que escoava desde Taguatinga.

“Muitas vezes nem chegava a chover em Vicente Pires, mas bastava cair um temporal na cidade vizinha para que a enxurrada se acumulasse na rua 3”, lembra Daniel.

Vicente Pires tem recebido umas das maiores obras estruturantes realizadas pela gestão do governador Ibaneis Rocha. Foi construída toda a rede de drenagem com galerias fluviais e lagoas de contenção das chuvas em pontos da região. Mais de 90% já foi concluído.

Segurança

Executora do contrato de pintura dos quebra-molas feita pelo Detran-DF, Lúcia Bandeira, reforça a importância dessa etapa de sinalização. “É mais um instrumento de garantia da segurança dos motoristas que trafegarem por Vicente Pires, inclusive minimizando os riscos de acidentes com carros que trafegarem em alta velocidade.”

O bancário Frederico Faria, de 42 anos, concorda. Morador da região há 12 anos, ele estacionou o carro em frente à lavanderia onde foi deixar as roupas pra lavar. O conforto de fazer isso, sem sujeira nem transtornos, é comemorado por ele. “Antes a pista era bem mais estreita e, nesse período de chuva, puro barro. Agora, além do estado perfeito, tem até como estacionar.”

Galeria de Fotos

Rua 3 em Vicente Pires rumo à conclusão

Fonte: Agência Brasilia