Em 2005 foi um ano marcante pra Cidade Estrutural, uma sentença obrigava o GDF a fechar o lixão e, em contrapartida, apresentar um projeto de reflorestamento das áreas degradadas, geração de emprego e renda e a inclusão na compensação social do crédito carbono do lixo acumulado durante todos esses anos.

Como gerar empregos?

Toneladas de resíduos (restos de construção) ainda são despejados semanalmente na Estrutural. A ideia do projeto é firmar parcerias com empreiteiras, governos, terceiro setor, cooperativas e associação comercial.

A mini-fábrica do tijolo ecológico gera de imediato 40 a 60 empregos diretos e com as parcerias os números podem se multiplicar.

Na área social o tijolo irá ajudar as famílias mais carentes da cidade na construção da sonhada casa própria, através de mutirões.

Hoje, o projeto está protocolado na Administração Regional da Cidade Estrutural/SCIA e no Instituto Brasília Ambiental-IBRAM como solução para a compensação social e ambiental da Estrutural e tem como autor Paulo Batista dos Santos (Paulão da Estrutural).

Fonte: Blog do Helio Rosa